domingo, 6 de janeiro de 2008

Adoração ou entretenimento?

”Não se esqueça , meu irmão! Adoração é vida, não música! Deus se agrada do que somos diante Dele. Louvemos portanto com nossa vida, não apenas com nossos lábios e nossas canções”

Tudo absolutamente certo com esta frase. Nada tão bíblico. É uma das frases mais repetidas pelos dirigentes de louvor, ministros de adoração, ministros de música, regentes, etc. Ela volta agora à minha mente após te-la ouvido alguns domingos atrás da boca de um pastor que milita na área de música & adoração.

Tudo muito bom. Mas comecei a me questionar (não só a ele, mas a mim também, pois afinal também milito na mesma área...).

Será que nossas atitudes confirmam este conceito? Será que nós temos sido coerentes com esta frase? Será que nós, que dirigimos os períodos de louvor congregacional em nossas comunidades, que compomos, produzimos e publicamos canções para uso nas igrejas de nosso país, não a negamos por praticarmos uma inversão de prioridades no nosso dia a dia?

Veja comigo se esta ‘auto-crítica’ não nos cabe...

Se adoração é vida e não música, por que a área de adoração em nossas igrejas é sempre coordenada por alguém que saiba música, que cante bem, que toque algum instrumento? Adoração não deveria ser uma prioridade de toda a igreja, e de sua liderança como um todo? Será que esta atitude não afirma o contrário do que falamos? Que adorar é cantar?

Se o que mais importa é a vida que temos diante de Deus, quais tem sido nossas prioridades efetivas? Discipular pessoas ou ensaiar nossos grupos? Onde gastamos mais tempo? Com o que nos preocupamos? Ora, escrevo este artigo enquanto deveria estar enviando a liturgia do próximo domingo via e-mail para sei lá quem! Que deveria estar ligando para fulano e beltrano para marcar o ensaio!

Quanto tempo temos gasto com a vida das pessoas que conosco trabalham no ministério? Quanto tempo temos gasto orando pela reunião do próximo domingo? Pelas pessoas que lá estarão? Vejo por mim mesmo e confirmo: tenho gasto um tempo muito menor do que o tanto que gasto ensaiando, escrevendo cifras ou partituras, fazendo reuniões de planejamento, preparando transparências e data-shows...

Por que ficamos felizes quando a congregação participa, canta alto, se emociona, bate palmas e até dança durante o período de louvor? Por que não estamos ‘muito aí’ em saber se a vida deles anda bem ou anda mal?

O que dizem nossos atos, não nossas palavras? O que diriam as pessoas ‘francas’ se perguntadas sobre nossa prioridade ministerial? Tenho receio de que digam: ‘ah, o cara é músico’.

Sigamos um pouco mais adiante...

Outro dia assistí e participei de uma conversa informal entre músicos, produtores e gente de estúdio. Analisávamos o repertório de um certo CD recém-lançado, dizendo que ‘não deveria vender muito, pois não continha muitas músicas comerciais’. E a conversa seguiu: ‘esse negócio de fazer música com letra complicada, densa, de conteúdo... é legal, mas não paga a conta... melhor mesmo é fazer como os caras da - - - - - -, que escolhem músicas com uma levada legal, e com letras que ninguém discute, tipo, Deus é santo, é tremendo, Te entronizamos, Te louvamos, Te amamos...’

Bom, sai da conversa com a orelha pegando fogo, pois o tal CD analisado e ‘condenado’ era um que eu havia gravado.

Mas sigo perguntando? Por que fazer música com letra densa, de conteúdo, que ‘incomode’ um pouco não dá popularidade? Por que é melhor fazer música ‘genérica’? Por que ‘o mercado’ prefere músicas de cuja letra sempre se diz: ‘onde que já ouvi isso antes?’

Será que as letras que confrontam, as letras que ‘incomodam’, as letras que não são necessariamente ‘transbordantes de conceitos vitoriosos’ não são aquelas que nos lembram que nossa vida é o que importa, não a nossa música? Não são estas as letras que só podem ser cantadas por alguém que entende e vive com o Deus verdadeiro retratado nelas?

Será que as letras ‘genéricas’, as que falam que Deus é legal, que Deus é dez, que Ele é santo, tremendo, altíssimo, etc, não são aquelas que podem ser cantadas por qualquer pessoa, mesmo aquela que pouco ou nada conhece a Deus?

Permita-me aqui reforçar este conceito aqui com um exemplo talvez até estúpido, mas claro. Imagine que você é um cantor profissional e eu um produtor de comerciais e audio-visuais. Eu lhe chamo para um trabalho e lhe dou duas músicas para cantar: a primeira tem uma letra que retrata a beleza do lago Titicaca, nos Andes peruanos; descreve o ar rarefeito e puro, a cor do céu e seu reflexo na água, etc, e será usada cono trilha sonora em um documentário sobre o Perú. A segunda tem uma letra ácida, em forte tom de crítica ao atual governo, citando nomes e cobrando posicionamentos; será usada em uma campanha política de um candidato da oposição. Nas duas não só o seu nome será associado, mas sua imagem também.

Você concorda que o primeiro trabalho é bem mais fácil? Você concorda que o primeiro exige muito menos (talvez quase nenhum) compromisso? Você concorda que o segundo pode gerar envolvimentos talvez ‘politicamente incorretos’?

Quando cantamos letras ‘genéricas’ sobre Deus, assemelhamo-nos ao primeiro caso. Falamos Dele mas não do nosso compromisso com Ele. Mas quando cantamos coisas mais densas, de maior conteúdo, retratamos a vida que temos com Ele. Isso nos expõe, nos revela, nos faz sair da trincheira.

E quanto a nós, compositores? Quando compomos música com letra ‘genérica’, o que fazemos? Convidamos qualquer um a cantar... Quem tem compromisso com Deus canta, louva e adora. Quem não tem, até canta... até se emociona... até chora e bate palmas...

Mas quando usamos a letra de nossa música para algo além de entreter, revelamos aspectos da vida que temos com Deus, descrevemos como Ele nos ajudou a vencer desafios, vales e abismos, e como ajustou e tem ajustado nossa vida. São letras assinadas, que pressupõem o compromisso que existe entre o autor e Deus. E que, para serem cantadas de forma atenta, também pressupõem o mesmo compromisso por parte de quem as canta.

Não estou pretendendo aqui eliminar a música de nossas vidas e ministérios. Seria de minha parte um total contrasenso, pois música é a linguagem que Deus me deu para usar. Mas proponho um ‘basta’ a esta cultura consumista de compor e cantar músicas para animar baile de crente. Um ‘basta’ à ‘adoração de entretenimento’.

Que a música seja ferramenta mas não um ídolo. Prestar excessiva atenção à música, à excelência, nos tira o foco da verdadeira adoração.

Que nossas canções falem do que e como vivemos, e que sejam úteis. Que fujam do esquema ‘enredo de escola de samba’, onde o tema é algo histórico, distante, desconhecido; pois nos carnavais vale mais a festa, nem tanto o conteúdo.

Que a nossa adoração não seja vendida como um show de fim de semana, mas que pratiquemos a adoração verdadeira, bíblica, de segunda a sexta.

Adoração. Que busquemos e pratiquemos a verdadeira, a bíblica. Não a de entretenimento.

Nenhum comentário: